Heróis da Fé: John Knox, o protagonista da Reforma Protestante na Escócia

  • 10/06/2021
Heróis da Fé: John Knox, o protagonista da Reforma Protestante na Escócia

John Knox nasceu em 1514, perto de Haddington, East Lothian, Escócia e se tornou o principal líder da Reforma Escocesa, que estabeleceu o tom moral austero da Igreja da Escócia e moldou a forma democrática de governo que adotou.

Ele foi influenciado por George Wishart, que foi queimado por heresia em 1546, e no ano seguinte Knox se tornou o porta-voz da Reforma na Escócia. Após um período de prisão intermitente e exílio na Inglaterra e no continente europeu, em 1559 ele retornou à Escócia, onde supervisionou a preparação da constituição e liturgia da Igreja Reformada. Sua obra literária mais importante foi a História da Reforma na Escócia. Vida pregressa

Quase nada se sabe sobre a vida de Knox antes de 1540, os relatos dados por seus primeiros biógrafos sendo em sua maioria fantasiosos. De sua ascendência, sabe-se apenas que o nome de sua mãe era Sinclair (Knox usava o nome John Sinclair como incógnito em tempos de perigo), que o nome de seu pai era William e que ele e os avós de Knox haviam lutado, e dois deles morrera - talvez na Batalha de Flodden contra as tropas de Henrique VIII. A família pode ter sido agricultora.

Supõe-se que Knox foi treinado para o sacerdócio com o estudioso John Major, muito provavelmente na Universidade de St. Andrews. Knox não fez um mestrado, no entanto, terminou seu treinamento com uma mente imbuída daquele prazer no pensamento abstrato e na disputa dialética que, mesmo naquela época, era reconhecido em toda a Europa como típico da erudição escocesa.

Ele estava sob as ordens de um padre em 1540, e em 1543 ele também era conhecido por exercer a função de notário apostólico na área de Haddington, o que parece indicar que ele estava em boa posição com as autoridades eclesiásticas. Dois anos depois, no entanto, Knox estava em companhia mais equívoca como tutor dos filhos de dois cavalheiros de East Lothian que estavam profundamente envolvidos nas intrigas do protestantismo político.

Influência de George Wishart

Sob sua proteção, George Wishart, um líder da Reforma Escocês que se tornaria um dos primeiros mártires da causa, começou uma turnê de pregação nos Lothians em dezembro de 1545. Knox estava muito em sua companhia, e a conversão completa de Knox à fé Reformada data de seu contato com Wishart, cuja memória ele guardou para sempre. Wishart foi queimado por heresia em março de 1546 pelo cardeal David Beaton, arcebispo de St. Andrews, que, em vez do governador fraco, era o verdadeiro governante da Escócia. A execução de Wishart deu início a uma cadeia de eventos que alterou profundamente a vida de Knox. Três meses depois, Beaton foi assassinado por conspiradores protestantes que se fortificaram no castelo de St. Andrews.

Enquanto isso, Knox, acompanhado por seus alunos, estava se movendo de um lugar para outro para escapar da perseguição e prisão. Seu desejo era ir para a Alemanha para estudar lá nas instituições de ensino protestantes, mas seus patrões mandaram que ele levasse seus filhos para St. Andrews e continuassem seus estudos sob a proteção do castelo. Assim, em abril de 1547, menos de um ano após o assassinato do cardeal e contra sua própria vontade, Knox chegou com seus alunos em St. Andrews - ainda um homem desconhecido. Os três meses que lá passou o transformaram, contra sua própria predisposição, no reconhecido porta-voz e protagonista do movimento da Reforma na Escócia. Os protestantes no castelo envolveram-se em controvérsias com a universidade; vários deles, percebendo que um homem de dons incomuns havia se juntado a eles, pressionaram a consciência de Knox com o dever de assumir "o cargo público e a incumbência de pregar". A inclinação de Knox era para o silêncio do estudo e da sala de aula, não para as responsabilidades e perigos da vida de um pregador de uma fé proscrita e perseguida. Ele resistiu ao chamado com lágrimas, e só depois de grande hesitação foi persuadido a pregar na cidade de St. Andrews um sermão que convenceu amigos e inimigos de que o grande porta-voz do protestantismo escocês havia sido encontrado. Este foi o ponto de viragem da vida de Knox; daquele momento em diante, ele se considerava chamado a pregar por Deus, e tinha mais certeza da origem divina e da compulsão do chamado, pois ia contra todas as suas inclinações.

No final de junho de 1547, a ajuda francesa chegou ao governador da Escócia. A guarnição do castelo de St. Andrews, bombardeada de fora e atacada pela peste interna, capitulou em termos que não foram cumpridos; Knox e outros foram levados para a escravidão nas galés francesas. A intervenção inglesa garantiu sua libertação 19 meses depois, embora com a saúde permanentemente debilitada.

Reforma Protestante na Escócia

Na Inglaterra, o governo protestante de Eduardo VI estava se esforçando para apressar o clero e o povo na Reforma mais rápido do que a maioria deles estava disposta a ir. Para este programa, pregadores e propagandistas eram necessários com urgência; e porque um retorno à Escócia sob o domínio católico romano era impossível para Knox neste momento, o governo inglês prontamente o fez um de um seleto corpo de pregadores licenciados e o enviou para o norte para propagar a Reforma na turbulenta guarnição da cidade de Berwick-upon- -Tweed. Ele trouxe ordem à cidade e estabeleceu uma congregação segundo as linhas puritanas, e lá conheceu Marjorie Bowes, que se tornaria sua esposa.

No início de 1551, ele recebeu uma nova designação em Newcastle e um pouco mais tarde foi nomeado um dos seis capelães reais cujas funções incluíam residência periódica e pregação antes da corte, bem como evangelismo itinerante em áreas onde o clero regular era carente de zelo protestante.

Mais tarde, ele se recusou a aceitar o bispado de Rochester e o vicariato de Allhallows, Londres, mas continuou, sob o patrocínio do governo, a exercer um ministério itinerante, principalmente, mas não exclusivamente, em Buckinghamshire, Kent e Londres.

Em três aspectos, Knox deixou sua marca na Igreja da Inglaterra: ele participou da formação de seus artigos; garantiu a inserção no Livro de Oração Comum da chamada rubrica negra, que nega a presença corporal de Cristo no pão e no vinho consagrados usados ​​na Sagrada Comunhão e explica que ajoelhar-se na comunhão não implica em adoração dos elementos; e ele foi um dos principais pais adotivos do puritanismo inglês, um movimento de reforma iniciado dentro da igreja estatal com vista à aplicação mais rigorosa dos princípios da Reforma na doutrina e no culto.

Knox terminou seus anos como pregador da igreja de Edimburgo, ajudando a moldar o protestantismo em desenvolvimento na Escócia.Durante esse tempo, ele escreveu sua História da Reforma da Religião na Escócia.

Embora continue sendo um paradoxo para muitos, Knox era claramente um homem de grande coragem: um homem diante da sepultura aberta de Knox disse: "Aqui está um homem que não lisonjeou nem temeu carne alguma."

O legado de Knox é grande: sua progênie espiritual inclui cerca de 750.000 presbiterianos na Escócia, 3 milhões nos Estados Unidos e muitos milhões mais em todo o mundo.

John Knox morreu em 24 de novembro de 1572, em Edimburgo.

FONTE: http://guiame.com.br/gospel/mundo-cristao/herois-da-fe-john-knox-o-protagonista-da-reforma-protestante-na-escocia.html


#Compartilhe

Aplicativos


Locutor no Ar

Peça Sua Música

Anunciantes